Ir direto para menu de acessibilidade.
Página inicial > Divulgação Científica > Destaques > Pesquisador da UFABC investiga como situações de stress danificam as células
Início do conteúdo da página

Pesquisador da UFABC investiga como situações de stress danificam as células

10 12 18bUm trabalho coordenado pelo Prof. Dr. Rodrigo Maghdissian Cordeiro, do Centro de Ciências Naturais e Humanas da UFABC, intitulado Molecular structure and permeability at the interface between phase-separated membrane domains, foi publicado no Journal of Physical Chemistry B, como matéria de capa. 

Segundo o professor Rodrigo, “o objetivo é compreender melhor de que maneira o dano oxidativo, como aquele promovido em processos de envelhecimento, afeta as propriedades da membrana celular. O resultado pode um dia, por exemplo, ajudar a compreender melhor o mecanismo de doenças neurodegenerativas como Alzheimer. Por enquanto, estamos dando os primeiros passos para entender como a membrana responde a situações de stress, como oxidação, desidratação e baixa temperatura”. 

O trabalho investigou o comportamento de bicamadas lipídicas, estruturas que compõe as membranas celulares. “Em geral, bicamadas formam barreiras que controlam a passagem de substâncias químicas e impedem o vazamento do conteúdo das células. Em certas situações, porém, essa capacidade pode ser perdida, ocasionando dano celular e o desenvolvimento de doenças. Sabe-se, por exemplo, que a membrana tem um pico de vazamento quando é resfriada e atinge a chamada temperatura de transição, na qual ela deixa de ser fluída e torna-se um gel. Apesar de conhecido há 40 anos, esse fenômeno não tinha uma explicação satisfatória”, explica o pesquisador. 

Utilizando os supercomputadores da UFABC, foi simulado o comportamento dos lipídios de membrana na transição fluído/gel: “Nós demonstramos que, conforme a temperatura diminui, a membrana sofre uma deformação elástica que favorece a formação de poros nas regiões fronteiriças entre os distritos que continuam na fase fluída, e aqueles que já passaram para a fase gel. Os resultados sugerem que as fronteiras entre domínios de membrana podem interferir com fenômenos de transporte e sinalização celular”. 

Além da temperatura, existe uma infinidade de fatores que levam os lipídios de membrana a se segregar. A estudante de mestrado Maria Cecília Oliveira tem investigado o papel do dano oxidativo, comumente associado a processos de envelhecimento. De acordo com o professor, o trabalho é promissor: “Já colhemos os primeiros resultados, com a publicação de um artigo no renomado Journal of the American Chemical Society, fruto de uma colaboração teórico-experimental com o grupo do professor Maurício Baptista, da USP. Pretendemos expandir nossos estudos para compreender melhor as relações entre oxidação lipídica, formação de domínios e dano celular”. 

Assessoria de Comunicação e Imprensa da UFABC

Registrado em: Destaques
Fim do conteúdo da página