Ir direto para menu de acessibilidade.
Página inicial > Notícias > Projeto mapeia e orienta redes de solidariedade sobre saúde em áreas vulneráveis
Início do conteúdo da página

Projeto mapeia e orienta redes de solidariedade sobre saúde em áreas vulneráveis

Publicado: Segunda, 01 de Junho de 2020, 12h00

A pandemia de Covid-19 tem afetado a vida de toda a sociedade, mas seus impactos são ainda mais significativos nas comunidades periféricas. Com o objetivo de contribuir para mitigar os efeitos dessa crise sobre a população mais vulnerável do ABC Paulista, um dos projetos aprovados pelo Comitê da UFABC contra o novo Coronavírus realizará um mapeamento da região, identificando as áreas mais desprovidas de infraestrutura urbana e socioeconômica, e elaborará materiais com recomendações de saúde para serem distribuídos e compartilhados, em formato impresso e virtual. 

Sob a coordenação da professora Claudia Regina Vieira, do Centro de Ciências Naturais e Humanas da UFABC, o projeto conta com a participação de alunos da Universidade, pesquisadores do LabJuta (Laboratório Justiça Territorial) e entidades como o ‘Movimento de mulheres Olga Benário’ e o ‘Movimento de luta nos bairros, vilas e favelas’. 

Segundo Isabella Alho, aluna do Bacharelado em Ciência e Tecnologia e da Engenharia Ambiental e Urbana da UFABC, a iniciativa visa analisar os impactos das redes de solidariedade na região, e de que modo a Universidade pode apoiar as redes que já estão em andamento. 

De acordo com os organizadores, o projeto é estruturado em três ações principais. A primeira consiste na elaboração de um protocolo de saúde e recomendações de segurança, para distribuição nos bairros, junto às redes de solidariedade já atuantes nesses locais. A segunda é a criação de uma rede de comunicação, ou o melhoramento e impulsionamento das que já existem nesses ambientes, com os movimentos sociais, jornais e rádios locais. A terceira será o mapeamento e monitoramento dos resultados do projeto. 

Para exemplificar, a aluna Isabela elenca algumas das questões a serem pesquisadas: “As áreas nas quais as redes de solidariedade atuaram tiveram mesmo um menor avanço da doença? Como as pessoas estão lidando com isso? Estão cumprindo o isolamento? As redes de solidariedade têm sido efetivas, levando informações e alimentos? O que os governos locais tem feito? As pessoas estão se informando através do que: televisão, redes de solidariedade, propagandas dos governos locais – os governos locais estão apoiando as recomendações de segurança? Esperamos poder apoiar as redes de solidariedade que já existem e, daí, extrair os resultados científicos dessa atividade”, finaliza. 

Assista ao vídeo sobre o projeto: 



#NósPeloBemComum

Assessoria de Comunicação e Imprensa da UFABC

Registrado em: Notícias
Fim do conteúdo da página