Ir direto para menu de acessibilidade.
Início do conteúdo da página

Tire suas dúvidas sobre: Testagens coronavírus (SARS-CoV-2) na comunidade UFABC e plataforma COVIData Acompanha


Perguntas Frequentes - Autotestagem para o coronavírus (SARS-CoV-2) na UFABC

Respostas em vídeo - Profa. Dra. Marcia Sperança

Transcrição da resposta:

O teste que nós vamos fazer de detecção do novo coronavírus (SARS-CoV-2) na Universidade Federal do ABC, ele vai ser feito a partir de saliva. Então, a primeira etapa do teste é a coleta de saliva. Essa coleta vai poder ser feita no ambiente de trabalho.

O kit vai ficar disponibilizado no saguão do prédio onde a pessoa vai estar trabalhando e ela vai poder pegar esse kit e coletar sua própria saliva. E aí vai ser feita a detecção do vírus por técnicas de biologia molecular. Tudo isso no laboratório.

Qual o tempo que isso vai levar?

Vai levar em torno de 72 horas. E aí o teste já vai estar disponível. Se a pessoa tem o vírus ou não.

Transcrição da resposta:

Na Universidade a gente vai fazer o teste de RT-PCR.

O que é o teste de RT-PCR?

Ele é a detecção do genoma do vírus, do RNA viral. Então esse teste vai ser feito a partir da saliva e por autocoleta. Então assim, a gente não vai precisar fazer aquela coleta que causa desconforto e que precisaria de um profissional da saúde para estar fazendo.

Transcrição da resposta:

Se a pessoa quer saber se já teve o vírus, ela vai fazer sorologia, né?

Então ela vai detectar anticorpos contra ele. Nós na UFABC, a gente vai fazer semanalmente o teste para saber se a pessoa tem o vírus. Se ela está com vírus circulante, para evitar a transmissão dentro do ambiente de trabalho.

Transcrição da resposta:

A pessoa pode trazer esse vírus até a Universidade. Dentro da Universidade, o que o projeto pretende é evitar que ocorra a transmissão a partir da chegada de alguém infectado. Essas pessoas fazem serviços essenciais e elas precisam ir até a Universidade. E aí elas pegam transporte público, elas entram em contato com outras pessoas, elas podem estar com vírus e podem estar trazendo esse vírus dos seus locais de origem, da sua casa ou transporte público, enfim.

Transcrição da resposta:

O período de incubação do vírus - se a pessoa entrou em contato com alguém infectado - vai ser de aproximadamente 14 dias. Então, se a gente testar semanalmente, a gente vai conseguir detectar uma pessoa que possa estar infectada, assintomática, enfim, antes que ela chegue na fase de transmissão. E ao mesmo tempo ainda vai poder fazer o teste em todas as pessoas de dentro da comunidade que estiveram em contato com ela. Porque todos vão ser testados. Seria o que se pretende fazer no início de uma pandemia como essa para toda a população.

Transcrição da resposta:

Faço parte de um grupo, de um laboratório de agentes patogênicos. A gente trabalha com arbovirose e com Leishmaniose. E o nosso laboratório tem uma infraestrutura básica para lidar com patógenos. O que a gente chama de infraestrutura de laboratório de nível de segurança 2. Ele tem uma cabine de fluxo laminar. Ele é um laboratório simples.

Está muito difícil o teste para todo mundo. Então nós desenvolvemos uma técnica, uma forma de coleta, que permite que esse material chegue no laboratório e que ele não seja infectante. Então, vocês vão ver que na coleta de saliva, o tubo onde vocês vão fazer a coleta vai estar envolvido por um lenço com etanol para evitar a transmissão. O tubo é fechado. Eu vou colocar solução de inativação no tubo sem abrir esse tubo. Então com isso eu consigo trabalhar numa infraestrutura de um laboratório básico de biologia molecular e que tem um nível 2 de biossegurança, que é um fluxo laminar, uma autoclave. É uma estrutura simples e muitos laboratórios têm.

Transcrição da resposta:

O teste é muito caro. Então se você for comprar kits para fazer, os kits disponíveis são muito caros. Então sai em torno de 70, 80 reais por reação.

Então, o que nós fizemos?

Nós barateamos essa técnica.

De que forma?

Adaptando todos os componentes desse material com o que existe no mercado nacional, produzido por empresas nacionais. Nós fizemos os testes para poder comprovar que o nosso diagnóstico tem a mesma sensibilidade, a mesma especificidade dos testes vendidos nos kits. E para isso a gente fez uma colaboração com o grupo da Faculdade de Medicina do ABC, em nome do Professor Fernando da Fonseca. Nós fizemos um estudo e comprovamos que o teste que a gente está fazendo - que é bem mais barato - ele permite que nós possamos desenvolver esse teste e fazer para toda nossa comunidade de uma forma bem mais…A gente conseguiu baratear em torno de 10 vezes o valor do teste no total.

Transcrição da resposta:

O fato de nós estarmos fazendo o monitoramento é para evitar a transmissão do vírus dentro do ambiente Universitário, de acordo com a situação epidemiológica de cada uma das cidades que compõem a nossa comunidade. Então, vamos supor: uma pessoa que mora em Mauá, mora em Guarulhos, mora em São Paulo, e cada uma dessas cidades tem um nível de transmissão viral diferente, capacidade de testagem diferente. Então, muitas dessas cidades já têm um número alto de casos, mas ela testa muito pouco. Então ela teria muito mais casos. Então essas pessoas têm uma chance muito grande de chegar na UFABC infectadas. É para evitar! É para não ir para a Universidade! A testagem, ela é feita, durante as fases, pela necessidade de trabalho em cada uma das fases de retorno, de acordo com essa situação epidemiológica, para a gente evitar a transmissão dentro do ambiente de trabalho. Então não é para a pessoa vir para a UFABC para fazer o teste, porque isso vai transmitir mais vírus do que monitorar a transmissão dentro da Universidade.

Outras perguntas

O Núcleo de Monitoramento e Testagem da UFABC passará a monitorar a situação epidemiológica de toda a comunidade UFABC por meio da plataforma COVIData-Acompanha e de testagens semanais em trabalhadores terceirizados, estagiários, servidores e discentes que têm comparecido aos campi da UFABC, por razões institucionalmente justificadas. Toda comunidade UFABC deve acessar o COVIData-Acompanha, cadastrar-se na plataforma e preencher com as informações relativas ao contexto da pandemia adotadas por cada um e cada uma das pessoas que compõem a estrutura da Universidade.

O COVIData-Acompanha é uma extensão da ferramenta virtual COVIData (plataforma web que tem auxiliado a sociedade na triagem da Covid-19 desde o início da pandemia).

O acesso ao COVIData-Acompanha é exclusivo para membros da comunidade UFABC e compõe o rol de estratégias de monitoramento da pandemia no âmbito da UFABC, definidas pelo Plano de Retomada das Atividades Presenciais da Universidade.

As informações inseridas no COVIData-Acompanha possibilitarão o mapeamento da situação epidemiológica da comunidade UFABC e possuem objetivo exclusivo de subsidiar as instâncias deliberativas da Universidade em relação às decisões sobre as atividades da instituição.

Toda comunidade UFABC deve acessar o COVIData-Acompanha, se cadastrar na plataforma e preencher com as informações relativas ao contexto da pandemia adotadas por cada um e cada uma das pessoas que compõem a estrutura da Universidade.

O cadastro ao COVIData-Acompanha deve ser realizado com e-mail institucional da UFABC. Os e-mails institucionais de toda comunidade de servidores e discentes já estão pré-cadastrados no sistema do COVIData-Acompanha.

Mesmo quem não estiver indo aos campi da Universidade, deve acessar e preencher a plataforma COVIData-Acompanha. As pessoas que estão indo aos campi, por razões institucionalmente justificadas, também devem acessar e se cadastrar na plataforma  COVIData-Acompanha. Ou seja, toda comunidade UFABC deve utilizar a COVIData-Acompanha.

Sim, para o monitoramento da situação epidemiológica na Universidade Federal do ABC, todas as pessoas que compõem a comunidade UFABC - trabalhadores terceirizados, estagiários, servidores e discentes - devem acessar e se cadastrar na plataforma COVIData-Acompanha, preenchendo seus dados.

A partir do dia 24 de maio de 2021, o Núcleo de Monitoramento e Testagem da UFABC iniciará testagens semanais em trabalhadores terceirizados, estagiários, servidores e discentes que têm comparecido aos campi da UFABC, por razões institucionalmente justificadas.

A testagem será feita somente em pessoas que vão aos campi da Universidade, por razões institucionalmente justificadas, ou seja, se você faz parte da comunidade UFABC, mas não tem porquê ir ao campus, não compareça aos campi da Universidade. O teste será feito somente nas pessoas que têm ido aos campi, porque tem razões institucionalmente justificadas para estar lá.

A testagem será feita somente em pessoas que tenham comparecido aos campi da Universidade, por razões institucionalmente justificadas. Cada pessoa que tem ido aos campi, mesmo que de forma esporádica, fará o teste uma vez por semana.

Quem está indo aos campi, por razões institucionalmente justificadas, também deve se cadastrar na plataforma COVIData-Acompanha?

Sim, toda comunidade UFABC deve se cadastrar na plataforma COVIData-Acompanha. Pela plataforma, será possível para cada pessoa saber sobre suas triagens e os resultados das testagens do novo coronavírus (SARS-CoV-2).

Se você não tem razões institucionalmente justificadas para comparecer aos campi da UFABC, você não deve ir aos campi e também não deve realizar o teste. O teste é específico para pessoas que, mesmo que de forma esporádica, estão indo aos campi, por razões institucionalmente justificadas.

Quem tem comparecido aos campi da Universidade, com razões institucionalmente justificadas para estar lá, mesmo que de forma esporádica, deve realizar o teste uma vez por semana.

Não. Somente as pessoas que tem comparecido aos campi da Universidade, por razões institucionalmente justificadas, devem realizar o teste.

Instruções para quem está indo à Universidade por razões institucionalmente justificadas e vai realizar o teste:

  • Ao chegar na UFABC você deverá retirar o kit de diagnóstico (apenas 01 kit por pessoa) que estará em um recipiente nos seguintes pontos de distribuição: no campus de Santo André, próximo à segurança das portarias dos blocos A, B e L; no  Campus de São Bernardo do Campo próximo à segurança do bloco Delta.
  • Ao retirar seu kit é importante realizar a auto coleta seguindo as instruções disponibilizadas no próprio kit, nos banner afixados próximos aos pontos de distribuição e no site da UFABC.
  • Após fazer a coleta da amostra, dirija-se a um ponto de coleta e deposite a sua amostra em um dos recipientes localizados próximos à segurança das portarias dos blocos A, B e L do Campus de Santo André e do bloco Delta de São Bernardo do Campo.
  • Se você estiver em outro local em um dos Campi, onde não há pontos de distribuição e coleta, deve ir até um dos pontos de distribuição de kits e coleta de amostras descritos acima.
  • Os exames serão coletados todos os dias, às 14h. Portanto, sempre que possível, faça seu exame até às 14h. Os resultados serão enviados por email em até 72 horas e também serão disponibilizados no perfil do usuário na plataforma COVIData-Acompanha.
  • Se precisar frequentar a UFABC mais de uma vez na mesma semana, faça o teste apenas uma vez neste período. (Semana contada de segunda a domingo).
  • Os exames depositados às quintas e sextas-feiras terão os resultados divulgados até segunda e terça-feira da semana seguinte, respectivamente.
  • Caso você execute suas atividades exclusivamente aos sábados e domingos, faça a coleta para realização do exame nesses dias, em qualquer horário. (Os exames realizados aos finais de semana serão coletados às 14h da segunda-feira).
  • Os resultados dos exames serão divulgados por intermédio da plataforma COVIData-Acompanha. Portanto, é imprescindível que, antes da coleta da amostra, você faça seu cadastro previamente na plataforma COVIData-Acompanha e mantenha seus dados sempre atualizados.
  • Obs.: Sobre as testagens para coronavírus (SARS-CoV-2) realizadas em membros da comunidade UFABC que, de acordo com o Plano de Retomada, necessitam frequentar os campi, informamos que todos os resultados positivos são comunicados em, no máximo, 05 (dias) úteis.

Se o exame de um indivíduo da comunidade tiver resultado positivo, este receberá o laudo laboratorial via plataforma COVIData-Acompanha. A Universidade Federal do ABC (UFABC), em colaboração com a Faculdade de Medicina do ABC (FMABC), emitirá o laudo oficial de diagnóstico.

O indivíduo com diagnóstico positivo deve afastar-se imediatamente de suas atividades e permanecer em quarentena. O indivíduo deve ficar em isolamento durante um período de 15 dias e observar o surgimento de sintomas associados a COVID-19, buscando atendimento médico, se necessário. Para evitar maior disseminação do vírus, indica-se que a pessoa que testou positivo, avise às pessoas com quem teve contato sobre o resultado de seu teste.

Para que as devidas medidas de resguardo e de bloqueio de circulação do vírus sejam tomadas – como, por exemplo, a restrição temporária de acesso a alguns espaços - membros da comunidade que tenham relação hierárquica direta com a pessoa que testou positivo, também serão notificados sobre a situação. No caso de discentes, o orientador, a direção do centro e a ProPes são notificadas formalmente, por e-mail, sobre o resultado do teste. No caso de Técnicos administrativos, a SUGEPE será notificada, no caso de docentes, SUGEPE e Direção de Centro e no caso de trabalhadores terceirizados, os fiscais do contrato serão informados.

Obs.: Sobre as testagens para coronavírus (SARS-CoV-2) realizadas em membros da comunidade UFABC que, de acordo com o Plano de Retomada, necessitam frequentar os campi, informamos que todos os resultados positivos são comunicados em, no máximo, 05 (dias) úteis.

Confira o passo a passo abaixo ou veja o vídeo do procedimento para realização do teste para a detecção do coronavírus (SARS-CoV-2) na UFABC:

1. RETIRADA DO KIT

ilustracao 1 retirada do kit testagem covid 19 ufabc

  • Você irá retirar um envelope lacrado contendo o kit para coleta da saliva e o modo de utilização para te auxiliar!

2. LOCAL DA COLETA

ilustracao 2 local coleta testagem covid 19 ufabc

    1. Vá até o seu local de trabalho. Higienize a superfície a ser utilizada na coleta com álcool 70%e lave bem as mãos.

    3. O KIT

    ilustracao 3 o kit testagem covid-19 ufabc

    • No envelope, você encontrará: um tubo de coleta, um cotonete com algodão, dois lenços com álcool 70%, um envelope novo e um questionário..

    4. QUESTIONÁRIO

    ilustracao 4 questionario testagem covid 19 ufabc

    • Preencha os dados solicitados sobre identificação pessoal, sintomatologia e informações relacionadas à sua rotina na UFABC.

    5. PREPARAÇÃO PARA A COLETA

    ilustracao 5 prepara coleta testagem covid-19 ufabc

    • Certifique-se de que suas mãos estejam higienizadas. Abra o tubo de coleta e deixe a tampa virada para cima. Abra o saquinho contendo o cotonete com algodão.

    6. COLETE A SALIVA

    ilustracao 6 coleta saliva testagem covid-19 ufabc

    • Coloque o algodão na boca, segurando pela haste e mantenha-o na boca por 1 minuto para que fique totalmente embebido com saliva. Retire-o o algodão da boca e coloque o cotonete dentro do tubo de coleta. Feche-o. Envolva o tubo da coleta em um lenço com álcool 70%. Coloque o tubo de coleta - envolto no lenço com álcool - dentro do envelope novo.

    7. DESCARTE

    ilustracao 7 descarte testagem covid-19 ufabc

    • Descarte todos os materiais em uma lixeira e higienize suas mãos e o local da coleta.

    8. DEVOLUÇÃO DO TESTE

    ilustracao 8 devolucao teste testagem covid-19 ufabc

    • Lacre o envelope. Agora ele está pronto para ser devolvido! Vá até um posto de devolução e deposite o envelope.

    Caso ocorra algum problema com o seu teste, descarte-o imediatamente. Retire um novo kit e recomece a sua testagem.

    O ideal é que o formulário seja preenchido até 48h antes da visita à UFABC, para que a equipe de segurança tenha condições de consolidar os dados. Porém, para garantir efetividade na testagem, o Núcleo de Monitoramento e Testagem sempre deixará disponível testes sobressalentes, para aqueles que precisarem acessar o campus e preencherem o formulário em período posterior ao indicado.

    Todas as pessoas que frequentarem a Universidade durante a pandemia precisarão realizar o teste, mesmo quem for em uma ida pontual a algum dos campi. Quem estiver frequentando mais de uma vez por semana, deverá realizar apenas UMA vez por semana (semana contada de segunda a domingo).

    Em Santo André, devem ficar alocados no Bloco A (piso térreo, próximo à rampa), no Bloco B (piso térreo - após catracas), Bloco L (piso térreo, hall de acesso ao primeiro andar). Em São Bernardo do Campo, no Alfa II (piso térrreo) e no Bloco Delta (no hall próximo a entrada da escadaria).

    Sim! O teste foi elaborado de forma a garantir que cada pessoa faça sua própria coleta.

    Após a realização do teste, a pessoa deverá depositar a embalagem com material coletado em urna específica e sinalizada no local.

    Por meio de seu cadastro no COVIData-Acompanha (plataforma de monitoramento exclusiva para comunidade UFABC), você poderá acompanhar os resultados de seu teste. Caso ocorra algum problema, a equipe de gerenciamento das testagens, falará diretamente com você. Se você realizar mais de um teste na mesma semana, o segundo teste será automaticamente descartado pelo Núcleo.

    Obs.: Sobre as testagens para coronavírus (SARS-CoV-2) realizadas em membros da comunidade UFABC que, de acordo com o Plano de Retomada, necessitam frequentar os campi, informamos que todos os resultados positivos são comunicados em, no máximo, 05 (dias) úteis.

    Caso ocorra algum problema com o uso do kit, a pessoa poderá retirar outro no posto de retirada. Disponibilizaremos um formulário para dúvidas e/ou sugestões: Envie sua dúvidas e/ou sugestão sobre a testagem para a detecção da presença do novo coronavírus (SARS-CoV-2) na UFABC.

    Essa informação deverá ser atualizada quinzenalmente por toda comunidade da UFABC na plataforma COVIData-Acompanha. O histórico de triagens ficará disponível para consulta, a qualquer tempo. No kit de coleta, não há um campo específico sobre essa questão, pois, devido à integração da ação de testagem com a plataforma do COVIData-Acompanha, o Núcleo terá acesso ao prontuário eletrônico de cada pessoa já testada.

    As informações epidemiológicas fornecidas por quem realizar o teste para a detecção da presença do novo coronavírus (SARS-CoV-2) na UFABC, têm a finalidade prioritária de subsidiar as instâncias deliberativas da Universidade em decisões sobre a retomada de atividades presenciais da instituição. O uso em estudo científico das aferições obtidas por meio dos testes por RT-PCR ocorrerá apenas se houver aceite formal de quem comparece aos campi por necessidade justificada.

    As informações epidemiológicas inseridas na plataforma COVIData-Acompanha por aqueles que se mantêm em regime remoto, ou seja, sem necessidade de realizar o teste por autocoleta na Universidade, têm finalidade restrita à esfera de decisões administrativas. Esses dados não estarão disponíveis para pesquisa. O uso em estudo científico das aferições obtidas por meio dos testes por RT-PCR ocorrerá apenas se houver aceite formal de quem comparece aos campi por necessidade justificada.

    A partir das reflexões e ações do Comitê de Planejamento e Ações de Gestão Referente ao Coronavírus, instituído pela Portaria 797/2020 -REIT, foi constituído dentro do Comitê um Núcleo de Monitoramento e Testagem composto por pesquisadores que atuam nestas áreas.

    O Núcleo nasceu com dois objetivos. O primeiro é o de produzir parâmetros de análise do quadro epidemiológico da região onde está inserida a UFABC e de sua comunidade universitária (discentes, docentes, técnicos e terceirizados). Esses parâmetros poderão ser utilizados pelas instâncias deliberativas da Universidade para definir um cronograma de vigência do Plano de Retomada das Atividades Presenciais da UFABC.

    O outro objetivo deste Núcleo é constituir um centro interno de testagem para a detecção da presença do novo coronavírus (SARS-CoV-2) com o objetivo de monitorar a comunidade da UFABC.

    Além de integrar projetos de pesquisa que focam na testagem e o monitoramento do coronavírus em andamento na Universidade (como métodos de testagem mais econômicos, utilização da detecção de SARS-CoV-2 no esgoto e em amostras do ar e de superfícies como indicadores da circulação do vírus), os dados produzidos pelo Núcleo serão uma importante referência para a tomada de decisão em relação à retomada de atividades presenciais. É importante ressaltar que para que a realização do monitoramento de casos de infecção por SARS-CoV-2 na comunidade ocorra, será obrigatório a todos que regressarem ou estiverem realizando atividades na UFABC participar da testagem do vírus.

    Para mais informações, consulte o Plano de Retomada das Atividades Presenciais da UFABC.

    Desde o dia 24 de maio de 2021, a UFABC iniciou as testagens para detecção da presença do novo coronavírus (SARS-CoV-2) em membros de sua comunidade universitária que necessitem comparecer aos campi durante a pandemia e o período de suspensão das atividades presencias da instituição. O modelo de teste para detecção de casos de coronavírus utilizado pela UFABC foi desenvolvido por pesquisadores da própria Universidade, sob coordenação da professora Márcia Sperança, e traz aspectos inovadores em sua forma de coleta, de análise e nos custos operacionais envolvidos.

    Desde o início da pandemia do novo coronavírus, a testagem em massa é reconhecida como um dos principais métodos para contenção e controle da propagação do SARS-CoV-2 (nome científico) em todo o mundo. Ciente disso, da escassez de testes e de alternativas de baixo custo no cenário brasileiro, a professora Márcia Sperança iniciou, ainda em 2020, estudos científicos no sentido de desenvolver uma opção de testagem qualificada, por meio de análise RT-PCR (reação da transcriptase reversa, seguida de reação em cadeia da polimerase), que priorizasse a utilização de reagentes nacionais e possibilitasse a simplificação dos métodos de coleta.

    Dentre os tipos de testes para detecção de detecção da presença do novo coronavírus (SARS-CoV-2) existentes, a metodologia RT-PCR é a de eficácia mais reconhecida, considerada padrão-ouro pela Organização Mundial da Saúde (OMS). Trata-se de uma técnica de biologia molecular que transforma o RNA do vírus em DNA e o amplifica, possibilitando detectar se na amostra coletada há material genético do SARS-CoV-2. A existência e identificação de material genético do vírus na amostra revela que, no momento exato da coleta, o indivíduo testado tinha o novo coronavírus presente em seu organismo.

    Usualmente, as amostras utilizadas para detecção da presença do novo coronavírus (SARS-CoV-2) pelo método de RT-PCR são coletadas via swab (cotonete longo), que é aplicado na região nasal e orofaríngea, causando certo desconforto ao indivíduo testado e dificultando a possibilidade de coleta autônoma das amostras. Além disso, para a coleta desse tipo de amostra é imprescindível a presença de um profissional da saúde capacitado, que durante o processo de coleta corre risco de se contaminar. Visando buscar uma alternativa para esse método de coleta via swab e considerando que uma das principais formas de propagação do novo coronavírus ocorre por meio do contato de um indivíduo com gotículas de saliva, o que indica que, em pessoas contaminadas, geralmente há a presença de vírus nesse tipo de secreção, a professora Márcia Sperança conduziu uma pesquisa para o desenvolvimento de um kit de testagem RT-PCR Salivar, por meio de uma técnica que permitisse a autocoleta de amostras.

    A concepção do teste da UFABC baseou-se em rígidos critérios e padrões de segurança e de saúde pública estabelecidos por organizações internacionais como a OMS e o Centro de Controle e Prevenção de Doenças dos Estados Unidos (CDC). Para garantir a máxima segurança do teste, tanto para os indivíduos que realizam a autocoleta da amostra salivar, quanto para os pesquisadores que conduzem a análise dos materiais coletados em laboratório, identificou-se que o mais adequado seria condensar a amostra de saliva em um algodão hidrofílico esterilizado, com alta capacidade de absorção da secreção líquida e sem riscos de comprometer a qualidade da amostra. Outro procedimento de segurança adotado foi o de armazenar o pedaço de algodão embebido de saliva em um tubo de ensaio seco para coleta à vácuo. Esse cuidado garante que os pesquisadores não precisem ter nenhum contato direto com a amostra para analisarem o material.

    Ao pontuar detalhes sobre a concepção e validação dos testes criados na UFABC, Sperança relatou que a prioridade do grupo de pesquisadores foi “reduzir substancialmente os custos da testagem, possibilitar a realização de autocoleta simplificada e em larga escala e, o primordial, garantir a confiabilidade dos resultados”.

    Antes de iniciar oficialmente a utilização dos testes junto aos membros da comunidade universitária que necessitem frequentar os campi durante a pandemia, a técnica criada pela pesquisadora passou por etapas cruciais de validação científica e metodológica. Uma cooperação firmada com o Laboratório de Análises Clínicas do Centro Universitário Faculdade de Medicina do ABC (FMABC), coordenado pelo Dr. Fernando Luiz Affonso Fonseca e credenciado pelo Instituto Adolfo Lutz, permitiu a comprovação da eficácia do teste por meio de aplicação prévia em 100 amostras sabidamente positivas e pela técnica de estudo comparado, aplicada in loco, por meio de análises autorizadas de outras 100 amostras de pessoas testadas aleatoriamente, no laboratório da FMABC.

    Os resultados das etapas de validação concluíram que o método de testagem desenvolvido na UFABC apresentou 97% de concordância com o método utilizado no laboratório de referência para o diagnóstico de SARS-CoV-2 da FMABC, demonstrando ser apropriado para uso em larga escala e gestão da pandemia.

    Em estudo comparativo realizado com 100 amostras aleatórias obtidas de indivíduos que se apresentaram no laboratório de análises clínicas da FMABC, 90 testes analisados tanto pela FMABC como pela UFABC foram identificados como negativos. Dentre os dez restantes, oito deles foram classificados por ambas as instituições como positivos, um foi classificado como positivo pela FMABC (falso negativo pela UFABC) e um foi classificado como positivo pela UFABC (falso negativo pela FMABC).

    Em relação ao critério de especificidade, os métodos de validação aplicados em parceria com a FMABC indicaram que o teste criado na UFABC é 100% específico, ou seja, quando alguma amostra é classificada como positiva (indicando detecção do novo coronavírus na saliva analisada), a possibilidade de classificação do teste como um “falso positivo” é praticamente nula.

    De acordo com Sperança, “a técnica de análise que utilizamos na UFABC, a chamada RT-PCR em tempo real, nos permite investigar as amostras com marcadores de dupla checagem. Sabemos que se a carga viral do organismo analisado for muito baixa, a qualidade da amostra salivar pode ser ligeiramente inferior à nasal e é possível, eventualmente, lidarmos com resultados falsos negativos. Contudo, essa dupla checagem e a tecnologia dos equipamentos laboratoriais da UFABC, que permite a utilização das sondas marcadas com corantes fluorescentes, nos asseguram sobre a impossibilidade de gerarmos resultados falsos positivos”.

    Em relação aos insumos que compõem o kit, todos são produzidos e adquiridos no Brasil e devidamente aprovados pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa). “A aquisição de produtos nacionais nos possibilitou montar kits de testagens com preços abaixo do mercado”, afirma Sperança. Além disso, o conhecimento científico acumulado possibilitou que o principal reagente de análise das amostras fosse produzido, de ponta a ponta, na UFABC. Essa prática possibilitou a redução de aproximadamente 80% dos custos de análise laboratorial. O custo final do teste, incluindo insumos para montagem dos kits e para análise das amostras é de cerca de R$ 20,00. No mercado tradicional, um teste com essas mesmas características teria um custo aproximado de R$ 75,00 a R$ 80,00.

    O kit de testagem da UFABC é composto pelos seguintes itens: um tubo para coleta, algodão esterilizado e armazenado numa pequena embalagem plástica, uma luva plástica descartável, dois lenços com álcool 70%, um envelope novo e um questionário. Assista ao vídeo que explica detalhadamente como a autocoleta é realizada.

    Segundo Sperança, “caso houvesse condições de promover parcerias com laboratórios especializados e garantir mais recursos operacionais, esse modelo de testagem poderia ser ampliado e aplicado em diversas outras esferas da sociedade, inclusive em escolas de ensino infantil, devido à técnica simplificada e indolor de coleta de amostra”.

    Diante da validação dos métodos científicos, das facilidades de operação por meio de autocoleta e das condições de custos apresentadas, o kit de testagem RT-PCR Salivar desenvolvido por pesquisadores da UFABC passou a ser considerado como ferramenta estratégica para a gestão da pandemia no âmbito da Universidade.

    Entretanto, diferentemente da FMABC, as características institucionais da UFABC não permitem que a Universidade atue como um centro de diagnósticos. Dessa forma, todos os resultados coletados e analisados nas dependências laboratoriais da UFABC, para fins de mapeamento epidemiológico institucional, passam pela certificação da FMABC, que é responsável por emitir e assinar laudos de membros da comunidade da UFABC cujos testes, eventualmente, sejam positivos para o novo coronavírus.

    A aplicação do teste desenvolvido por pesquisadores da UFABC para a gestão de assintomáticos positivos está prevista no Plano de Retomada Gradual das Atividades Presenciais da UFABC, é conduzida pelo Núcleo de Monitoramento e Testagens da instituição e compõe o rol de procedimentos de gestão epidemiológica da pandemia no âmbito da Universidade.

    Voltar para o topo


    Monitoramento da Pandemia e passo a passo das Testagens

    Conforme previsto no Plano de Retomada das Atividades Presenciais da Universidade, o Núcleo de Monitoramento e Testagem da UFABC monitora a situação epidemiológica de toda a comunidade UFABC por meio do Boletim Epidemiológico, da plataforma COVIData-Acompanha e de testagens semanais em trabalhadores terceirizados, estagiários, servidores e discentes que têm comparecido aos campi da UFABC, por razões institucionalmente justificadas. Toda comunidade UFABC deve acessar a plataforma COVIData-Acompanha, cadastrar-se na plataforma e preencher com as informações relativas ao contexto da pandemia adotadas por cada um e cada uma das pessoas que compõem a estrutura da Universidade.

    Veja no vídeo o procedimento para realização do teste para a detecção da presença do novo coronavírus (SARS-CoV-2) na UFABC:

    Confira o passo a passo para realização do teste para a detecção do coronavírus (SARS-CoV-2) na UFABC:

    1. RETIRADA DO KIT

    ilustracao 1 retirada do kit testagem covid 19 ufabc

    • Você irá retirar um envelope lacrado contendo o kit para coleta da saliva e o modo de utilização para te auxiliar!

    2. LOCAL DA COLETA

    ilustracao 2 local coleta testagem covid 19 ufabc

      1. Vá até o seu local de trabalho. Higienize a superfície a ser utilizada na coleta com álcool 70%e lave bem as mãos.

      3. O KIT

      ilustracao 3 o kit testagem covid-19 ufabc

      • No envelope, você encontrará: um tubo de coleta, um cotonete com algodão, dois lenços com álcool 70%, um envelope novo e um questionário..

      4. QUESTIONÁRIO

      ilustracao 4 questionario testagem covid 19 ufabc

      • Preencha os dados solicitados sobre identificação pessoal, sintomatologia e informações relacionadas à sua rotina na UFABC.

      5. PREPARAÇÃO PARA A COLETA

      ilustracao 5 prepara coleta testagem covid-19 ufabc

      • Certifique-se de que suas mãos estejam higienizadas. Abra o tubo de coleta e deixe a tampa virada para cima. Abra o saquinho contendo o cotonete com algodão.

      6. COLETE A SALIVA

      ilustracao 6 coleta saliva testagem covid-19 ufabc

      • Coloque o algodão na boca, segurando pela haste e mantenha-o na boca por 1 minuto para que fique totalmente embebido com saliva. Retire-o o algodão da boca e coloque o cotonete dentro do tubo de coleta. Feche-o. Envolva o tubo da coleta em um lenço com álcool 70%. Coloque o tubo de coleta - envolto no lenço com álcool - dentro do envelope novo.

      7. DESCARTE

      ilustracao 7 descarte testagem covid-19 ufabc

      • Descarte todos os materiais em uma lixeira e higienize suas mãos e o local da coleta.

      8. DEVOLUÇÃO DO TESTE

      ilustracao 8 devolucao teste testagem covid-19 ufabc

      • Lacre o envelope. Agora ele está pronto para ser devolvido! Vá até um posto de devolução e deposite o envelope.

      Caso ocorra algum problema com o seu teste, descarte-o imediatamente. Retire um novo kit e recomece a sua testagem.

      Download do passo a passo da testagem para a detecção da presença do novo coronavírus (SARS-CoV-2) na comunidade UFABC em formato PDF

      Formulário: Envie sua dúvidas e/ou sugestão sobre a testagem para a detecção da presença do coronavírus (SARS-CoV-2) na comunidade UFABC.

       

      Voltar para o topo


      Fluxograma interativo: Testagem coronavírus (SARS-CoV-2) na UFABC

      Dúvidas? Acesse a página: ufabc.net.br/faqmonitoramento

      Obs.: Sobre as testagens para coronavírus (SARS-CoV-2) realizadas em membros da comunidade UFABC que, de acordo com o Plano de Retomada, necessitam frequentar os campi, informamos que todos os resultados positivos são comunicados em, no máximo, 05 (dias) úteis.

      Download do fluxograma: Testagem do coronavírus (SARS-CoV-2) na comunidade UFABC em formato PDF

      Voltar para o topo


      COVIData-Acompanha

      covidata acompanha ufabc fb noticiaO Núcleo de Monitoramento e Testagem da UFABC iniciou no dia 10 de março de 2021 o mapeamento da situação epidemiológica da comunidade interna por meio da plataforma COVIData-Acompanha. O objetivo é coletar dados que subsidiem as instâncias deliberativas da Universidade em decisões sobre a retomada de atividades presenciais da instituição. O sistema realiza uma triagem com base em informações fornecidas por servidora(es), alunas(os), estagiárias(os) e trabalhadoras(es) em situação de terceirização.

      A plataforma COVIData-Acompanha não atua como método de diagnóstico – o intuito é identificar casos suspeitos e não suspeitos da Covid-19 para ajudar no direcionamento de condutas administrativas para controle e combate ao novo coronavírus. Segundo a pesquisadora, o sistema apresenta um questionário detalhado, com questões epidemiológicas e sobre os sintomas mais comuns da doença.

      O primeiro acesso ao sistema requer inscrição inicial. A coordenação explica que a coleta periódica dos parâmetros fornecerá indicadores para as decisões referentes à retomada de atividades presenciais. É fundamental o amplo engajamento da comunidade, por isso é importante que todas e todos se cadastrem e alimentem a plataforma. A ampla participação poderá gerar um retrato condizente com a realidade e subsidiará ações eficazes.

      Além da coordenação da professora Fernanda Almeida, a plataforma COVIData-Acompanha contou com o trabalho dos discentes Diego Serodio Costa (Engenharia de Instrumentação, Automação e Robótica), Vitor Inácio da Silva, Camila Chaves Rocha, Gabriel de Mello Fiali, Luiz Rodrigo Cavalcanti da Silva (Bacharelado em Ciência da Computação), André Silva Carvalheiro, Clarissa Susana Ruiz Merino, Beatriz Lima Gandolfi (Engenharia Biomédica), Giovanna Brito Lins (Bacharelado em Ciências Biológicas).

      Veja no tutorial abaixo como realizar seu cadastro na plataforma COVIData-Acompanha:

      Comunidade universitária: Acesse a plataforma COVIData-Acompanha e preencha o cadastro.

      Voltar para o topo


      Errata: Diferente do informado anteriormente, o teste desenvolvido pela Universidade Federal do ABC (UFABC) realiza a detecção da presença do coronavírus (SARS-CoV-2) e não a detecção da Covid-19. Conteúdo atualizado em 15/07/2021.


      Registrado em: Monitoramento Pandemia
      Fim do conteúdo da página