Ir direto para menu de acessibilidade.
Página inicial > Artigos > A face universitária do discurso presidencial
Início do conteúdo da página

A face universitária do discurso presidencial

Publicado: Segunda, 02 de Junho de 2008, 12h33

Comentários do reitor da UFABC, professor Luiz Bevilacqua, sobre aabordagem dada à Educação no discurso de posse do Presidente Lula .

Em seu discurso ao Congresso, em primeiro de janeiro, o Presidente Lula pronunciou as seguintes palavras que destaco na íntegra:

Maisdo que a qualificação para o mundo do trabalho, a educação é uminstrumento de libertação, que o acesso à cultura propicia. Ela dáconteúdo à cidadania formal de homens e mulheres. Um país cresce quandoé capaz de absorver conhecimentos. Mas se torna forte quando é capaz deproduzir conhecimento. Para isso é fundamental valorizar todos osníveis de nosso sistema educacional sem exceção , fortalecer apesquisa pura e aplicada, consolidar a incorporação e o desenvolvimentode novas tecnologias."

O que mais é preciso dizer para estimular a tarefa de levar adiante o nosso projeto de Universidade?

Na minha carreira universitária nunca ouvi de um Presidente daRepública afirmação tão genuinamente universitária. Trata-se de umforte estímulo para o avanço na grande aventura da conquista do saber epara a perfeita conceituação do que conduz à verdadeira liberdade.

Apropriemo-nos, então, das palavras do presidente e tornemo-lasrealidade! A educação não se pode reduzir a uma política governamental,mas deve ser assumida como política de Estado. Para tanto, éimprescindível que a sociedade se envolva, é preciso que muitas pessoascolaborem com afinco e entusiasmo.

É surpreendente quealguns articulistas e jornalistas de renome tenham passado em brancopor esse trecho. Alguns até minimizaram o discurso inteiro, o que sópode ser atribuído a uma surpreendente falta de percepção. Outros -como tem sido comum ultimamente - só têm olhos e ouvidos para o Consumidor . Mas o Presidente falou sobre o Pensador . Triste quadroesse em que pessoas deste País, que se classificam como intelectuais,fiquem cegas diante de uma afirmação que exalta o conhecimento e acriatividade como bens do espírito humano que conduzem à liberdade.Creio que essa insensibilidade está na raiz mais profunda dosubdesenvolvimento.

Saiba, senhor Presidente, que nós, naUFABC, estamos desde já fazendo valer o desejo expresso em seudiscurso, pois, nos documentos com os pressupostos de fundação destaUniversidade se lê:

A Universidade Federal do ABCinaugura-se na crista da onda que na alvorada do século XXI propaga-serapidamente em direção a uma nova era - a era do conhecimento.

No entanto, a percepção generalizada da importância dos avanços doconhecimento científico está profundamente associada ao seu valorprático. A ciência vale tanto quanto é capaz de contribuir para bensmateriais que facilitem o trabalho, que prolonguem a vida, que aumentema produtividade, que sofistiquem os meios de comunicação e transporte,que ofereçam mais opções e facilidades para o lazer. Entretanto, numaépoca em que o conhecimento científico é mais visível do que emqualquer outra, menos ele é valorizado como um bem e si mesmo.

Esse modo de conceber a contribuição do conhecimento científico éincompleto e tende a eliminar um valor insubstituível na formação detodo cidadão - reconhecer que o conhecimento tem valor em si mesmo, queconhecer é bom, engrandece o espírito e aguça a curiosidade e aimaginação.

Felizmente as grandes universidades despertarampara o risco do desaparecimento da paixão desinteressada pelo avanço doconhecimento racional voltado para a busca do entendimento da matéria,das formas de energia da vida. Grandes nomes das ciências de todos osramos empenham-se atualmente na melhoria do ensino e na divulgaçãocientífica em termos compreensíveis aos leigos.

Portanto,além de cumprir um papel de capacitar os jovens para o exercício daprofissão e contribuir para o avanço da tecnologia em cooperação com osetor industrial, a universidade no contexto atual deve envidaresforços para virar do avesso o olhar da sociedade sobre a ciência. Épreciso que se valorize a ciência como as artes e a literatura naesfera dos bens do espírito. É preciso, por incrível que pareça,mostrar e divulgar que é parte essencial do ser humano pensar eadmirar-se diante dos mistérios da natureza. É preciso contagiar osjovens estudantes com a alegria de aprender. Além disso, o pensamentocientífico traz para a vida profissional e mesmo para o nosso dia-a-diauma grande contribuição no sentido de associar causa e efeito eanalisar os fatos com os instrumentos da lógica, desta forma desfazendosofismas e auxiliando na tomada de decisões e na busca de soluçõescriativas para os problemas com os quais nos defrontamos.


Parabéns, senhor Presidente. Feliz mandato!

Professor Luiz Bevilaqua
Reitor Pro-tempore da UFABC

Registrado em: Artigos
Fim do conteúdo da página