Ir direto para menu de acessibilidade.
Página inicial > Divulgação Científica > Destaques > Pesquisa molecular busca alternativa ao uso de antibióticos
Início do conteúdo da página

Pesquisa molecular busca alternativa ao uso de antibióticos

Estudo realizado na UFABC em parceria com Massachusetts Institute of Technology (MIT) investiga o uso de peptídeos como base para produção de medicamentos alternativos aos antibióticos.

Um artigo sobre essa investigação foi publicado na Nature Communications Biology no início de dezembro de 2018, sendo escolhido como destaque pelos editores. O conteúdo divulgado na revista traz as primeiras análises de testes laboratoriais, realizados com o veneno de uma vespa nativa do sudeste brasileiro. Os resultados mostram como promissora a modulação das propriedades físicoquímicas desse tipo de moléculas na busca para se obter compostos com atividade antimicrobiana.

O professor Vani Xavier de Oliveira Junior e o aluno Marcelo Der Torossian Torres do programa de pós-graduação de Ciência e Tecnologia/Química, responsáveis pelo estudo na UFABC, explicam que os peptídeos são parte do sistema imune de vários organismos, mas seriam potencialmente tóxicos nas concentrações necessárias para serem aplicados como antibióticos. Segundo eles, a pesquisa busca processos de controle químico e físico que permitam a redução da toxidade dessas moléculas e também torná-las mais resistentes à degradação. Ambos destacam que ao agirem por uma variedade muito grande de mecanismos e desencadearem respostas imunológicas nos locais da infecção, os peptídeos ofereceriam vantagens em comparação a antibióticos tradicionais, que têm perdido eficácia contra micro-organismos resistentes.

Com aval e participação da UFABC o projeto teve patente depositada pelo MIT nos Estados Unidos, o que garante proteção de uso desse método quando alcançar estágio clínico de aplicação. O professor Vani Oliveira lembra que se trata de uma área de pesquisa muito dinâmica, na qual atuam como concorrentes grandes multinacionais e centros de pesquisa. Ele afirma que no patamar atual do estudo não há previsão para o uso comercial dos peptídeos como medicamentos antimicrobianos: “são necessárias várias fases de desenvolvimento e toda a etapa pré-clínica de testes” - explica.

A parceria entre as instituições surgiu por meio da Bolsa Estágio de Pesquisa no Exterior (BEPE) concedida pela Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo (FAPESP) a Marcelo. A síntese de alguns peptídeos e o começo dos testes biológicos em algumas cepas bacterianas foram realizados na UFABC. A síntese de outras gerações de análogos, testes tóxicos e antimicrobianos — incluindo testes em animais — e análise estrutural ocorreram nos laboratórios do Synthetic Biology Group do MIT e do Broad Institute (Harvard-MIT).


nature figura 1 2 6

Mais informações estão disponíveis no artigo publicado na Nature e no Blog da Revista


Assessoria de Comunicação e Imprensa da UFABC 


Matéria originalmente publicada em: PesquisABC nº 23 
* Fonte das figuras: Fig.1, Fig. 2, Fig. 6




Registrado em: Destaques
Fim do conteúdo da página