Ir direto para menu de acessibilidade.
Página inicial > Eleições 2020
Início do conteúdo da página

Eleições Municipais 2020

Síntese das informações contidas na Cartilha “Condutas Vedadas aos Agentes Públicos Federais em Eleições 2020”, elaborada pela Advocacia Geral da União

(Acesse a cartilha na íntegra)

Prazos Eleitorais: (Alterados, excepcionalmente, em função da Pandemia da
Covid-19, pela Emenda Constitucional no 107, de 2020).

a) Convenções Partidárias:
- Realização entre 31 de agosto e 16 de setembro de 2020
(encerrado).

b) Data limite para que os Partidos e Coligações façam o registro de
seus candidatos.
- Até 26 de Setembro de 2020 (encerrado).

c) Data de início da campanha eleitoral.
- A partir de 27 de setembro de 2020.

d) Data das Eleições.
- 15 de novembro, em primeiro turno e 29 de novembro em segundo turno.

Contribuição de Servidores que Exercem cargos Comissionados e não são Filiados, para Partidos. Vedação. (Art. 31, V da Lei dos Partidos – Redação da Lei 13.488/17).

Art. 31. É vedado ao partido receber, direta ou indiretamente, sob qualquer forma ou pretexto, contribuição ou auxílio pecuniário ou estimável em dinheiro, inclusive através de publicidade de qualquer espécie, procedente de:

V – Pessoas físicas que exerçam função ou cargo público de livre nomeação e exoneração, ou cargo ou emprego público temporário, ressalvados os filiados a partido político.

As Universidades Públicas e o Processo Eleitoral

a) Autonomia Universitária e Liberdade de expressão e comunicação.

Segundo decidiu o Supremo Tribunal Federal na ADPF 548, são inconstitucionais os atos judiciais ou administrativos que determinem ou promovam, durante a eleição:

- O ingresso de agentes públicos em universidades públicas e privadas;
- o recolhimento de documentos de qualquer espécie, relacionados ao processo eleitoral;
- a interrupção de aulas, debates ou manifestações de docentes e discentes universitários;
- a interferência estatal (judicial, administrativa, policial) na livre manifestação de ideias e divulgação de informações.

b) Condutas permitidas aos docentes e discentes, no ambiente físico ou virtual das Universidades e, consequentemente, utilizando-se da estrutura (bens) pública:

- promoção de debates internos e externos (inclusive lives), com ou sem a participação de candidatos, observados os critérios de isonomia e proporcionalidade entre os participantes do pleito, quando for o caso, que permitam aos atores sociais do ambiente acadêmico aprofundar o processo democrático, discutir a importância do processo eleitoral, a qualidade e propostas dos candidatos para o fortalecimento das instituições e das liberdades democráticas;

- Comunicação entre docentes e discentes acerca da importância do voto, como ferramenta para a construção democrática, a defesa das liberdades públicas e dos direitos e garantias fundamentais;

- Discussões sobre o País e a necessidade da defesa das conquistas democráticas da sociedade brasileira, contra retrocessos sociais, econômicos e políticos, ainda que no âmbito dos Municípios brasileiros;

c) Condutas vedadas aos docentes e discentes, no ambiente físico ou virtual das Universidades, sempre observado as orientações da Advocacia Geral da União:

- realização de propaganda eleitoral direta ou indiretamente para determinada candidatura;

- disponibilização de espaço ou estrutura pública, ainda que virtual, para propaganda ou promoção eleitoral de determinada candidatura;

- Disponibilização, de qualquer espécie, ainda que estejam em home office, de servidores para atuar em campanha eleitoral de candidatos, salvo quando estes estiverem no exercício de suas atividades privadas e fora do horário de trabalho;

Acesse a íntegra da Cartilha “Condutas Vedadas aos Agentes Públicos Federais em Eleições 2020”, elaborada pela Advocacia Geral da União.

Registrado em: Administração
Fim do conteúdo da página