Ir direto para menu de acessibilidade.
Página inicial > Notícias > Pesquisa em nanotecnologia conclui testes iniciais em busca de fármaco contra o câncer
Início do conteúdo da página

Pesquisa em nanotecnologia conclui testes iniciais em busca de fármaco contra o câncer

Publicado: Quarta, 13 de Outubro de 2021, 17h59

Estudo do programa de doutorado em Ciência e Tecnologia Química da UFABC avalia o uso de plataforma nanotecnológica com magnetita, nanopartículas de prata e óxido nítrico no combate ao câncer. A propriedade física desses elementos permite direcionar um nanocomposto para atacar apenas as células doentes, sem afetar tecidos saudáveis e com menos risco de efeitos colaterais. A fase inicial da pesquisa indica potencial antitumoral do material desenvolvido em análises in vitro e de aplicação em seres vivos nos ensaios de hemocompatibilidade com células comprometidas e normais.

O trabalho tem autoria da aluna Joana Claudio Pieretti, orientação da professora Amedea Barozzi Seabra e foi publicado no periódico suíço Materials in Medicine no primeiro semestre deste ano. A pesquisa conta com parceria da Universidade Estadual de Londrina (UEL) e Universidade de Lorraine (França). Os resultados obtidos abrem perspectivas para realização de testes in vivo em parcerias – ainda em análise – com grupos de pesquisa da área biomédica na Inglaterra, França e Espanha.

Nanopartículas podem ser guiadas com a aplicação de um campo magnético externo para atacar tumores sólidos resistentes aos tratamentos convencionais

A proposta é usar nanopartículas que podem ser guiadas com a aplicação de um campo magnético externo para atacar tumores sólidos resistentes aos tratamentos convencionais (imagem: acervo das pesquisadoras)

Amedea explica que se os resultados nas fases futuras do estudo continuarem positivos, a pesquisa deve evoluir para o ambiente clínico veterinário e posteriormente para ensaios em pacientes cujo tratamento tradicional falhou e não há mais alternativa terapêutica. Segundo a professora, o material desenvolvido pode gerar um medicamento administrado no paciente por via endovenosa em sessão acompanhada por profissional de saúde habilitado. O monitoramento da condução dos compostos até o tumor e da ação química sobre as células doentes seria, por exemplo, em equipamento de ressonância magnética.

Texto elaborado com base em matéria publicada na Agência FAPESP: Grupo da UFABC desenvolve nanocomposto para tratar câncer de forma direcionada.

Artigo original publicado na Journal of Materials Science: Materials in Medicine.


 Assessoria de Comunicação e Imprensa

Registrado em: Notícias
Fim do conteúdo da página